São Luís - MA - Brasil
+55 98 2109-6400

São Luís

Também conhecida como: “São Luís do Maranhão”, “Jamaica Brasileira”, “Ilha do Amor”, “Atenas Brasileira”, “Cidade dos Azulejos” e “Capital Brasileira do Reggae”

É a única cidade brasileira fundada por franceses, no dia 8 de setembro de 1612 , tendo sido posteriormente invadida por holandeses . Em seguida, foi colonizada pelos portugueses. Localiza-se na ilha de Upaon-Açu, no Atlântico Sul, entre as baías de São Marcos e São José de Ribamar. Em 1621, quando o Brasil foi dividido em duas unidades administrativas — Estado do Maranhão e Estado do Brasil — São Luís foi a capital da primeira unidade administrativa.

A cidade está ligada ao interior do estado por meio de uma linha férrea e também aos estados vizinhos do Pará, Tocantins e Piauí o que facilita e barateia a escoação agrícola vinda do interior do país para o porto de Itaqui, sendo que, com a conclusão da Ferrovia Norte-Sul, a cidade vai estar interligada a todas as regiões brasileiras por ferrovias. Por rodovia, a ilha já é servida pela BR-135. que a liga ao continente e, por ar, conta com o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado , com capacidade de atender mais de um milhão de passageiros por ano e que já opera com demanda quase saturada pelo movimento intenso de passageiros não somente da cidade de São Luís, mas também por servir como porta de entrada por ser o maior e mais movimentado aeroporto próximo ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

 

O nome São Luís

O nome da cidade é uma homenagem dada pelos franceses ao rei da França Luís XIII, conforme registrou o cronista da França Equinocial o Capuchinho Claude D’Abbeville. Posteriormente o nome passou a referenciar Luís IX, chamado de “São Luís Rei de França”. O rei Luís IX ficou popular pois morreu numa Cruzada na Idade Média, sendo posteriormente canonizado pela Igreja.

Gentílico

Ludovicence ou São-Luisense

A Ilha de São Luís

A Ilha de São Luís ou Ilha de Upaon-açu (palavra indígena que significa “Ilha Grande”) com área de 1 410,0 km², contém outros municípios que limitam-se com São Luís: São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

População da Ilha de São Luís

Município Área (km²) População (2010)
Paço do Lumiar 132.410 104.881
Raposa 64.182 26.280
São José de Ribamar 386.282 162.925
São Luís 827.141 1.014.837
Total 1.410.015 1.327.495

Fonte: IBGE

Clima

O clima de São Luís é tropical, quente e úmido. A temperatura mínima na maior parte do ano fica entre 21 e 27 graus e a máxima geralmente fica entre 27 e 34 graus. Apresenta dois períodos distintos: um chuvoso, de janeiro a julho, e outro seco, de agosto a dezembro.

Eletricidade

Voltagem: 220V

  • Praia Ponta d’Areia: é uma das mais visitada pela população, devido ao fácil acesso. Encontra-se a apenas três quilômetros do centro da cidade.
  • Praia de São Marcos: destaca-se por suas fortes ondas, e é bastante procurada por surfistas.
  • Praia do Calhau: é uma das praias mais conhecidas da capital maranhense e a de melhor estrutura para os turistas com diversos quiosques e restaurantes em sua orla. Apresenta ondas fracas e dunas cobertas por vegetação.
  • Praia Olho d’Água: localiza-se a 13 quilômetros do centro da cidade. É cercada por dunas e vegetação rasteira.
  • Praia do Meio: localizada entre as praias de Olho d’Água e Araçagy, possui águas límpidas e próprias para prática de kitesurf.

São Luís tem manifestações muito fortes como o bumba-meu-boi, festa de tradição afro-indígena que aflora na cidade nas festas do mês de junho. Além disso, possui o Tambor de Crioula, o Cacuriá, o “Tambor de Mina” (religião afro-brasileira, que tem na Casa Grande das Minas Jeje – fundada em meados do século XIX – seu mais importante terreiro, ou Querebetan). Estas manifestações acontecem no período das festas juninas. No carnaval, a tradição de São Luís é um forte carnaval de rua, onde os blocos populares se misturam aos brincantes e às bandinhas tradicionais.

Faz parte do seu patrimônio cultural a riqueza de poemas e romances dos seus grandes escritores, tais como Aluísio de Azevedo, Gonçalves Dias, Graça Aranha, dentre outros, o que tornou a cidade conhecida como a Atenas Maranhense. Além da literatura, os ritmos cadenciados transbordam alegria e sensualidade, através do tambor-de-crioula , do reggae e do bumba-meu-boi.

Em 1 de setembro de 2010, São Luís foi eleita a Capital Americana da Cultura para o ano de 2012, por Xavier Tudela. Isto é uma iniciativa cultural, de cooperação e de promoção nos países da América, respeitando a sua diversidade nacional e regional e destacando o seu patrimônio cultural.

A cidade foi tombada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura como Patrimônio cultural da Humanidade, em 1997. Possui um acervo arquitetônico colonial avaliado em cerca de 3 500 prédios, distribuídos por mais de 220 hectares de Centro Histórico, sendo grande parte deles sobradões com mirantes, muitos revestidos com preciosos azulejos portugueses. Vários prédios foram restaurados; a Prefeitura, por exemplo, funciona no Palácio la Ravardière, construção de 1689.

CENTRO HISTÓRICO DE SÃO LUÍS

Centro Histórico São Luís
Centro Histórico São Luís

O Centro Histórico de São Luís se destaca pela uniformidade e pela beleza simples e regular dos seus imóveis, formando um dos maiores conjuntos arquitetônicos de essência portuguesa ainda preservados da América Latina. Fatores que levaram este conjunto a compor a lista da UNESCO de patrimônios culturais do mundo, em 1997.
Possui um acervo arquitetônico colonial avaliado em cerca de 4 mil prédios, distribuídos por mais de 220 hectares, sendo grande parte deles sobradões com mirantes, muitos revestidos com azulejos portugueses. Construídos pelos senhores que comandavam a produção de algodão na região, os solares e sobrados são marcas do apogeu econômico da cidade.
Formado pelos bairros da Praia Grande e Desterro, a região concentra hoje museus, centros de cultura, teatros, cinema, bares, restaurantes, feira e uma infinidade de lojas de artesanato. Estão ali também praças, charmosos becos, escadarias, ladeiras e algumas das mais belas ruas da parte histórica da cidade, como a Rua Portugal e Rua do Giz e Largo do Comércio.

Informações: A área do Centro Histórico é fechada para o trânsito de veículos. A Praia Grande é perfeita para tranquilos passeios a pé. Neste caso, tênis e sandálias baixas são ideais, para caminhar sobre o piso de paralelepípedos, subir e descer ladeiras e escadarias. Recomenda- se usar roupas leves e protetor solar.

Teatro Artur Azevedo

Teatro Arthur Azevedo
Teatro Arthur Azevedo – São Luís – MA

O teatro mais famoso de São Luís é também um dos mais antigos do País. Conserva os traços neoclássicos originais que guardam mais de 200 anos de história e uma beleza comparável a poucos.
Inaugurado em 1817, como Teatro União, foi só no século seguinte que finalmente ganhou o nome do grande mestre da dramaturgia brasileira.
No começo dos anos 90, suas instalações e equipa- mentos foram reformados, transformando o teatro num dos mais modernos ambientes para a arte dramática do País.

Endereço: Rua do Sol, 180 – Centro – Fone: +55 98 3218-9900 ramal 33
Visitação: terça a sexta, das 15h às 17h
Entrada: R$ 2,00 (sujeito a alteração)

Palácio dos Leões

Palácio dos Leões
Palácio dos Leões

Com três mil metros quadrados de área construída, esculpido com o primor da arquitetura neoclássica e localizado em frente à Baía de São Marcos, o Palácio dos Leões serve de residência oficial e sede do Governo do Maranhão.
Ficou conhecido como Palácio dos Leões (Forte de São Felipe) devido aos leões de bronze que guardam suas entradas. Erguido sobre o que um dia foi o Forte de São Luís, ganhou forma de palácio em 1776, quando o Governador Joaquim de Mello e Povoas remodelou a construção com materiais aproveitados da extinta casa dos jesuítas em Alcântara. Completamente restaurado, merece ser visto não apenas pela arquitetura e suntuosidade, mas também pelos tesouros artísticos e relíquias guardadas em seu interior.

Endereço: Av. Pedro II, S/N – Centro – Fone: +55 98 3232-9789
Visitação: quarta a sexta, das 14h às 17h, sábados e domingos, das 15h às 17h

IGREJA DA SÉ E PALÁCIO EPISCOPAL

Igreja da Sé
Igreja da Sé

Conta-se que no início da colonização, quando portugueses e franceses lutavam pelo domínio das terras, deu-se a Batalha de Guaxenduba (1614). Em menor número em comparação a La Ravardière, as forças de Jerônimo de Albuquerque ganharam o reforço de uma figura feminina que deu força aos combatentes, servindo-lhes pólvora que ela mesma fabricava com o pó da terra.

Endereço: Av. Pedro II, S/N – Centro – Fone: +55 98 3222-7380
Visitação: terça à sabado, das 08h às 12h e das 14h30 às 17h30

PALÁCIO LA RAVARDIÈRE

Palácio La Ravardière
Palácio La Ravardière

Exemplo de prédios administrativos do período colonial, o Palácio de La Ravardière recebeu esse nome em 1962, por ocasião do aniversário de 350 anos da cidade.
Foi construído por volta de 1689 e é um dos prédios mais antigos da região. Hoje abriga a sede do Governo Municipal e traz à frente o busto de bronze de Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardière, comandante francês e fundador de São Luís.

Endereço: Avenida D. Pedro II, ao lado do Palácio dos Leões.
Visitação: Somente visitação externa.

PALÁCIO CRISTO REI

Construído em 1838 para servir de residência ao Comendador José Joaquim Teixeira Vieira, o imóvel representa o luxo das famílias ricas do período colonial.
Foi vendido em 1900 ao então vice-cônsul dos EUA dono de casa bancária em São Luís. Segundo dizem, o cônsul costumava servir as mais sofisticadas iguarias aos mendigos e necessitados e, por isso, passou a ser chamado de “padrinho”.
Em 1908, devido à falência de seu banco e às numerosas dívidas que possuía, suicidou-se e teve o imóvel leiloado. Desde então, o palácio passou por inúmeros proprietários, até que, em 1953, serviu de sede do Arcebispado e recebeu o nome de “Palácio Cristo Rei”. Atualmente, abriga a reitoria da Universidade Federal do Maranhão.

Endereço: Praça Gonçalves, 351 – Largo dos Amores Dias – Centro
Visitação: de segunda a sexta, das 8h às 11h e das 14h às 17h

AZULEJARIA

Azulejos
Azulejos

Quando os portugueses reergueram a cidade de São Luís, depois das batalhas travadas com franceses e holandeses, fez uso dos azulejos a fim de, não somente embelezar os edifícios, mas também de proteger as fachadas contra o desgaste das chuvas, do calor e da umidade comuns na região.
Logo, as peças trazidas não somente de Portugal, mas também da Inglaterra, França, Holanda e Alemanha, transformaram-se em tendência. Resultado: do século XVIII a meados do século XX, São Luís reuniu um acervo que, integrado à arquitetura urbana da cidade, se transformou em sua marca registrada e lhe rendeu o carinhoso apelido de “Cidade dos Azulejos”.
As peças podem ser vistas em diversos imóveis dos bairros mais antigos e fachadas de casarões do Centro Histórico. Outras, mais raras, pintadas à mão e formando painéis, podem ser apreciadas em interiores de igrejas, como a da Catedral da Sé.
Uma boa mostra desta arte pode ser conhecida ainda no Museu de Artes Visuais, localizado na Rua Portugal, na Praia Grande, que funciona em um casarão do século XIX que, por si só, já é uma atração.

Endereço: Rua Portugal, s/n – Centro – Fone: +55 98 3218-9938/9939
Dias de visitação:
 Terça-feira à Sexta-feira das 09 às 17h / Sábado das 09h às 16h / Domingo das 09h às 14h
Entrada: R$ 2,00 (sujeito a alteração)

RUA PORTUGAL E RUA DO TRAPICHE

São Luís - MA
Rua Portugal – São Luís – MA

A Rua Portugal é uma das principais ruas do Centro Histórico de São Luís, onde se concentravam os estabelecimentos comerciais mais importantes da época de sua construção.
Ainda hoje mantém suas raízes, pois possui diversas lojas e comércio ativo, além de repartições públicas. É um polo onde se encontram o Museu de Artes Visuais e a Casa de Nhozinho (Museu que homenageia o artesão maranhense Antônio Bruno Pinto Nogueira que, ao longo da vida, confeccionou brinquedos e figuras do folclore em buriti).
Na esquina com a Rua Portugal está a Rua do Trapiche, onde certamente você vai se encantar com a Mora- da das Artes, local de moradia de diversos artistas que abrem as portas para a visitação de suas obras.

CAFUA DAS MERCÊS

Conta-se que o Cafua das Mercês teria sido um entreposto para o comércio de negros em São Luís, local onde eram expostos e comercializados após desembarcarem.
Hoje, a pequena construção sedia o Museu do Negro, cujo acervo é formado por peças típicas de uma senzala, a réplica de um pelourinho que havia no Largo do Carmo, no centro da cidade, e uma curiosa coleção de peças de artesanato africano feitas em madeira e marfim.

Endereço: Rua Jacinto Maia, Desterro, ao lado do Convento das Mercês.
Visitação: de terça a domingo, das 9h às 17h.

LARGO DO COMÉRCIO

Típico largo de uma cidade colonial. Muito da história ludovicense aconteceu aqui. Durante os séculos XVIII e XIX, este logradouro da Praia Grande era utilizado para o comércio da cidade e hoje abriga estabelecimentos como bares, restaurantes, lojas e quiosques turísticos.
Mesmo com a decadência econômica na década de 30, ainda hoje encontramos os casarões intactos e com toda a sua beleza arquitetônica em estilo colonial português, fachadas revestidas de azulejos e pedra de cantaria.

CENTRO DE CULTURA POPULAR DOMINGOS VIEIRA FILHO

Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho
Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho é sediado num sobrado colonial de 3 pavimentos, mantém um grande acervo com peças das diversas manifestações culturais (bumba-meu-boi, tambor de crioula, carnaval, dança do coco etc) e religiosas (tambor de mina, Festa do Divino etc) do estado. Além disto, possui objetos da cultura indígena e artesanatos.

Endereço: Rua do giz, 221 – Praia Grande – Fone: (98) 3218-9926
Visitação:
Terça-feira à Domingo das 09h às 18h

MUSEU HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO MARANHÃO

O preservado Solar Gomes de Souza, erguido em 1836 no centro de São Luís, pertenceu à família do matemático, astrônomo, filósofo e parlamentar Joaquim Gomes de Souza, o Souzinha. Transformado em museu em 1973, os objetos em exposição – mobiliário, porcelanas inglesas e francesas, vidros, cristais, e destaque à obra Tauromaquia, óleo sobre tela, de 1950, obra legítima do pintor espanhol Pablo Picasso – reconstituem os ambientes das ricas residências maranhenses dos séculos XVIII e XIX. Antes de entrar para uma visita guiada, aprecie a fachada, um belíssimo exemplar da arquitetura colonial portuguesa.

Endereço: Rua do Sol, 302 – Centro – Fone: +55 98 3218-9921
Visitação: terça à sexta das 9h às 17h00 e sábados e domingos, das 9h às 16h
Entrada: R$ 5,00 (sujeito a alteração) – A taxa dá acesso também ao Museu de Arte Sacra

MUSEU DE ARTES SACRA

O Museu de Arte Sacra está ao lado do Museu Histórico e Artístico. Situado em um solar com fachada de azulejos, onde residiu o Barão de Grajaú, Carlos Fernandes Ribeiro e sua esposa, a baronesa Anna Rosa Vianna Ribeiro.
Hoje é um espaço único para contemplar e exibir as valiosas peças de ourivesaria que contam a História da Igreja no Maranhão. Seu acervo, que pertence em parte à Arquidiocese de São Luís, é composto por peças dos séculos 18 e 19 em estilos rococó e neoclássico.

Endereço: Rua 13 de Maio, 500 – Centro – Fone: + 55 98 3218-9920 / 3218-9922
Visitação: das 9h às 17h30 e sábados e domingos, das 9h às 17h.
Entrada: R$ 5,00 (sujeito a alteração) – A taxa dá acesso também ao Museu Histórico e Artístico do Maranhão

CONVENTO DAS MERCÊS

Convento das Mercês
Convento das Mercês

O Convento das Mercês foi construído em 1654 e inaugurado pelo padre Antônio Vieira, onde funcionava a sede do antigo Convento da Ordem dos Mercedários. Hoje é a Fundação da Memória Republicana (Fundação José Sarney), que reúne obras únicas da história do país, relíquias do tempo de presidência do maranhense José Sarney, presentes oferecidos por outros presidentes, além de um museu que conta sua trajetória de vida.

Dias de visitação: Terça à Sexta-feira das 09h às 19h / Sábado das 08h às 12h
Entrada: Gratuíta
Telefone: (98) 3221-3724

FONTE DAS PEDRAS

Este local é um marco. Foi lá, junto ao que era ainda uma nascente que, em outubro de 1615, Jerônimo de Albuquerque acampou suas tropas enquanto expulsava os franceses de São Luís.
No melhor estilo colonial português, a Fonte das Pedras, instalada num quadrilátero murado, conta com um frontão em alvenaria e carrancas por onde a água jorra fartamente.

Endereço: Rua de Antonio Rayol, próxima ao Mercado Central.

FONTE DO RIBEIRÃO

Fonte do Ribeirão
Fonte do Ribeirão

Vários mistérios rondam o monumento e tornam ainda mais curiosa essa fonte construída em 1796 para abastecer de água a população. Seu piso é revestido de pedras de cantaria e a água, sempre farta, jorra de carrancas, em um tanque lajeado. As carrancas são figuras de aspectos disformes, comumente usadas em fontes, chafarizes e proas de barcos para espantar maus espíritos. A da fonte representa Netuno, Deus mitológico, senhor dos mares e das águas, que abastecia a população local de água limpa que brotava de sua boca.
Lendas fantásticas também foram criadas sobre suas galerias subterrâneas. Dizem que servia de comunicação entre frades de uma igreja a outra. Também para transporte ou fuga de escravos e comércio ilegal de ouro e pedras preciosas. Outra lenda é sobre a serpente encantada, que reside nos túneis da galeria e cresce sem parar, e um dia destruirá a ilha de São Luís, quando a cauda encontrar a cabeça.

Endereço: entre as Ruas do Ribeirão e dos Afogados.

MUSEU CAFUA DAS MERCÊS (MUSEU DO NEGRO)

Conta-se que o Cafua das Mercês teria sido um entreposto para o comércio de negros em São Luís, local onde eram expostos e comercializados após desembarcarem.
Hoje, a pequena construção sedia o Museu do Negro, cujo acervo é formado por peças típicas de uma senzala, a réplica de um pelourinho que havia no Largo do Carmo, no centro da cidade, e uma curiosa coleção de peças de artesanato africano feitas em madeira e marfim.

Endereço: Rua Jacinto Maia, Desterro, ao lado do Convento das Mercês.
Visitação: de terça a domingo, das 9h às 17h.

MUSEU CASA DE NHOZINHO

O Museu Casa de Nhozinho está instalado em um sobrado com três pavimentos e fachada de azulejo colonial. O nome Casa de Nhozinho é uma homenagem ao grande artesão maranhense Antônio Bruno Nogueira, conhecido por Nhozinho, que se destacou pela confecção de rodas de boi feitas de buriti, apesar de ser portador de deficiência. Ali, os visitantes têm uma amostra das técnicas de produção da cultura material: peças de artesanato indígena, brinquedos dos séculos 18 e 19 e réplicas ou peças originais de embarcações típicas do Maranhão.

Endereço: Rua Portugal, 185 – Fone: +55 98 3218-9951
Visitação: de terça a domingo das 9h às 18h.

MUSEU SOLAR DOS VASCONCELOS – MEMORIAL DO CENTRO HISTÓRICO

O Solar dos Vasconcelos foi construído no século XIX e é um dos mais significativos exemplares da arquitetura de São Luís. Apresenta uma belíssima fachada de dois pavimentos simétricos e duas por- tas emolduradas em cantaria lavrada. Reformado e adaptado, recebeu o acervo do Memorial do Centro Histórico, exibindo maquetes e painéis fotográficos que registram toda a história de preservação e revitalização do Centro Histórico de São Luís. Abriga também uma importante coleção de maquetes de barcos típicos do Maranhão.

Endereço: Rua da Estrela
Visitação: de segunda a sexta, a partir das 9h e, aos sábados, a partir das 13h.

BECO CATARINA MINA

O Beco Catarina Mina possui uma escadaria de 35 largos degraus em pedras de lioz, datadas do século XIII. Foi batizado em homenagem à Mina Catarina Rosa Pereira de Jesus, uma escrava que mantinha uma loja no local.
A célebre cativa, cuja história lembra a de uma outra escrava igualmente famosa, Xica da Silva, fez fortuna graças ao seu trabalho e às suas ligações com ricos comerciantes da região, que literalmente ficavam de queixo caído com a sua beleza. Catarina juntou fortuna, comprou sua alforria e transformou-se em senhora de escravos, passando a ser vista pela cidade seguida por um cortejo de mulheres caprichosamente vestidas.Localizado na Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís.

TEATRO JOÃO DO VALE

O Teatro João do Vale fica no coração do centro histórico, no Largo do Comércio, Praia Grande, e é um dos centros culturais mais importantes de São Luís. É uma homenagem a João Batista do Vale, um dos Artistas mais importantes do Maranhão, elei- to personagem ilustre do Século XX e que já teve obras gravadas por Nara Leão, Dolores Duran, Zé Kéti, Chico Buarque e, é claro, Maria Bethânia, que interpretou seu maior sucesso: “Carcará”. O Teatro João do Vale é palco de espetáculos regionais e na- cionais, trazendo sempre o melhor da música e da dramaturgia para São Luís.

Endereço: Rua da Estrela, 283 – Centro – Fone: + 55 98 3218-9957

CENTRO DE ATIVIDADES ODYLO COSTA

Complexo Cultural no bairro da Praia Grande, a Biblioteca Ferreira Gullar, com acervo formado por obras de autores maranhenses e sobre o Maranhão. Está lá também o Cine Praia Grande, sala que exibe filmes de arte, uma galeria de exposições temporárias e o Teatro Alcione Nazaré, inaugurado em 1988 e dispondo de 215 lugares.
No Centro, são oferecidos ainda cursos de arte, como fotografia, desenho, escultura e dança.

Endereço: Rampa do Comércio, 200, Praia Grande – Fone: + 55 98 3218-9930
Visitação: todos os dias, das 8h às 20h

TEATRO ALCIONE NAZARÉ

Também conhecido como Teatro Praia Grande, foi cria- do em 1988 inicialmente para receber grupos amadores e ensaios. Foi batizado em homenagem à cantora Alcione, a Marrom, maranhense de corpo e alma.

Endereço: Rampa do Comércio, 200, Praia Grande – Fone: + 55 98 3218-9930
Visitação: todos os dias, das 8h às 20h

PARQUE ESTADUAL DA LAGOA DA JANSEN

Lagoa da Jansen
Lagoa da Jansen

O Parque Estadual da Lagoa da Jansen destaca-se pela infraestrutura adaptada à prática de esportes e pela noite agitada e animada, contendo uma grande quantidade de bares e restaurantes para todos os tipos e gostos.

ESPIGÃO COSTEIRO

Espigão Costeiro
Espigão Costeiro

Localizado na Península da Ponta d’Areia e na Baia de São Marcos, é o mais novo ponto turístico de São Luís. Excelente local para prática de stand-up, fazer caminhadas e contemplar o belíssimo pôr do sol.

Cabana do Sol (Comida Brasileira, Pizza)

  • Farol de São Marcos (próximo ao Hotel Luzeiros)
    Rua João Damasceno, 24ª – Farol de São Marcos
    Fone: (98) 3304-4235 / 3235-2586 / 3227-6270
  • Litorânea
    Av. Litorânea, 10 – Calhau
    Fone: (98) 3227-7761 / 3227-3794

Coco Bambu (Pizza, Frutos do mar, Massa)

Av. Colares Moreira, 01 – Qd 19 – Calhau
Fone: (98) 3268-7400

Restaurante SENAC (Comida Brasileira)

Rua de Nazaré, 242 – Centro
Fone: (98) 3198-1100

Thai Restaurante (Comida Japonesa, Tailandesa)

Av. Avicânia, 18 – Calhau
Fone: (98) 3227-0423

Restaurante Maracangalha (Comida Brasileira)

Rua dos Gaviões, 10 – Lagoa da Jansen
Fone: (98) 3235-6700

Cafofinho da Tia Dica (Comida Brasileira, Frutos do mar)

Travessa Marcelino de Almeida  – Praia Grande
Fone: (98) 3247-9123

Sal e Brasa Churrascaria (Churrasco)

Av. dos Holandeses, 10 – Qd 33 – Calhau
Fone: (98) 3248-1817

Gostou ? Que tal aproveitar nosso pacote e vir para cá ?

São Luís e Lençóis MaranhensesRua Portugal
Ou em até 3x de R$ 436,00
Sem Juros - PagSeguro
Ver opções
Praia de São MarcosPraça Benedito Leite
A partir de R$ 538,00 por pessoa*
Ou em até 3x de R$ 179,33
Sem Juros - PagSeguro
Ver opções
Rua PortugalSão Luís - MA
Ou em até 3x de R$ 26,67
Sem Juros - PagSeguro
Ver opções
Compartilhe:
Share
pt Português
X